PARTICIPE DO NOSSO BLOG

DÊ A SUA OPINIÃO
O QUE VOCÊ ESTÁ ACHANDO DO NOSSO BLOG?
ENVIE FOTOS, VÍDEOS, ARTIGOS...

CLIQUE AQUI E ENVIE A SUA MENSAGEM
projetovindemeninos@gmail.com





domingo, 27 de setembro de 2015

LIÇÕES BÍBLICAS / AS BEM-AVENTURANÇAS - Lição: 13

LIÇÕES BÍBLICAS
Classe: “Ovelhas do Bom Pastor.”
Data: 27 – 09 – 2015.
Lição: 13.                                Título da Lição
 AS BEM-AVENTURANÇAS
Texto Áureo: “Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus;” (Mt. 5: 3)
                                       
                                         126– 97 - HC.

 Leitura Bíblica em Classe:                  (Sl. 34: 1 a 14)

1 – LOUVAREI ao Senhor em todo o tempo: o seu louvor estará continuamente na minha boca.
2 – A minha alma se gloriará no Senhor: os mansos o ouvirão e se alegrarão.
3 – Engrandecei o Senhor comigo, e juntos exaltemos o seu nome.
4 – Busquei ao senhor; e ele me respondeu: livrou-me de todos os meus temores.
5 – Olharam para ele, e foram iluminados; e os seus rostos não ficarão confundidos.
6 – Clamou este pobre, e o Senhor o ouviu, e o salvou de todas as suas angustias.
7 – O anjo do Senhor acampa-se ao redor dos que o temem, e os livra.
8 – Provai, e vede que o Senhor é bom; bem-aventurado o homem que nele confia.
9 – Temei ao senhor, vós, os seus santos, pois não tem falta alguma aqueles que o temem.
10 – Os filhos dos leões necessitam e sofrem fome, mas aqueles que buscam ao Senhor de nada têm falta.
11 – Vinde, meninos, ouvi-me: eu vos ensinarei o temor do Senhor.
12 – Quem é o homem que deseja a vida, que quer largos dias para ver o bem?
13 – Guarda a tua língua do mal, e os teus lábios de falarem enganosamente.
14 – Aparta-te do mal, e faze o bem: procura a paz e segue-a.


INTRODUÇÃO:

I - AS BEM-AVENTURANÇAS
Definição: As Bem-aventuranças definem como uma pessoa pode e deve ser feliz. Cristo é a Felicidade, anunciado desde o Antigo Testamento pelos profetas. Dentre eles destaca-se Isaias quando faz menção dos cinco nomes de Jesus, dentre eles; como Príncipe da Paz! (Is. 9: 6). Se assim o recebermos todos os dias de nossa existência, jamais haverá problemas sem solução. Não poderíamos sequer falar, sentir, viver de outra maneira, a não ser conviver com a Dádiva a nós pelo Pai concedida. É muito importante que se observe o esmero, da Metodologia com que Jesus organizou o Sermão da montanha. Após aquele pequeno estágio pelo campo com os seus primeiros discípulos, mostrando a eles não somente como se faz o trabalho da evangelização, mas principalmente o estado em que se encontrava aquela nação. Agora já com muito povo o acompanhando por causa dos milagres que Ele passou a realizar, decide subir a montanha. Interessante que Jesus dá inicio Às Bem-aventuranças citando o espírito humano, “Bem aventurados os pobres de espírito, por que deles é o reino dos céus;” (Mt. 5: 3). Sabemos muito bem que, nosso espírito é o pensamento, é o que vai pelas cabeças voadas, por isso a primeira advertência, foi dada ali ao povo que se juntou naquela ocasião ao pé do monte. Muitos crentes sentem uma grande dificuldade para entender o significado dessa primeira Bem-aventurança, mas é fácil de entender, ser pobre de espírito não é ser altivo, autossuficiente, orgulhoso etc., foi desta maneira que Jesus encontrou aquele povo, pois todos estavam sendo guiados pelos fariseus e saduçeus, sem a presença Divina por quatrocentos anos. João Batista já os havia repreendido e até feito uma pergunta: “...Raça de víboras, quem vos ensinou a fugir da ira futura?” (Mt. 3: 7). Então na verdade o que o Senhor Jesus ali nesta primeira Bem aventurança, deixa claro para todos ali presentes, é que ser pobre de espírito é sentir a necessidade de ter Deus em suas vidas, ou seja, é sentir-se incapaz, sem condições de viver sem ser filho de Deus, e para que isso aconteça há uma grande necessidade de entregar-se ao Senhor por inteiro. Para melhor discernir esta primeira Bem-aventurança, temos o Salmo 37: 5 a 11.
Esta é a conduta perfeita do pobre de espírito. Chegamos a conclusão que na vida do pobre de espírito não há tristeza, não há problemas que não tenham solução, não há discórdia entre os irmãos na Fé, todos são unidos, sendo assim todos os dias no Templo haverá testemunhos de gratidão ao Senhor. Jesus veio para alegrar, está escrito no profeta Isaias que o povo que andava em trevas viu uma grande luz! Quem está na luz está alegre. Eis a razão de ser a primeira Bem-aventurança. O Senhor na sua infinita Sabedoria sabe como preparar o Caminho, tudo numa sequencia maravilhosa. Vejamos a segunda Bem-aventurança: “Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados;” Após a entrega, a aceitação de Jesus no coração, é claro que quando houver necessidade de chorar aos pés do Senhor, haverá o consolo, pois certamente esse choro não será um choro de ira, de remorso, com desejo de vingança, mas de reconhecimento de alguma falha cometida, ou por alguma notícia ruim, pelas provas que possam estar passando, discernindo muito bem o que é prova e o que é luta, pois há uma diferença muito grande entre ambas. Podemos até mostrar qual a diferença: As provas vem da parte do Senhor para testar a nossa Fé. O que passar a prova cantando e não praguejando, esse vai passar na prova. E a questão da luta? A luta vem quando o crente desobedece os Mandamentos do Senhor, atualmente grande parte dos crentes estão passando luta, pois a desobediência é total no meio dos tais. É preciso ser Igreja de Jesus e não crente, pois crente todo o mundo é. O que é Igreja passa prova e vive, o que é somente crente passa luta e morre. Crente é todo aquele que despreza os Mandamentos do Senhor desde Gênesis a Apocalipse e passa a seguir o homem travestido de pastor ou a mulher que se diz pastora, aliás esta praga se alastrou em todo o mundo, cuidado por conta disto, cada dia aumenta o numero de crentes deprimidos, onde habita o Espírito Santo não pode habitar espírito de tristeza. Nós daremos continuidade as Bem-aventuranças, pois o assunto é Maravilhoso e extenso. Vamos durante toda a semana; estar alegre com Jesus. É só receber o Seu Nome “Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; e o principado está sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da eternidade, Príncipe da Paz.” E a parte “a” do versículo 7 ainda reforça dizendo: “Do incremento deste principado e da paz não haverá fim.” 

domingo, 20 de setembro de 2015

LIÇÕES BÍBLICAS / APÓS O SILÊNCIO, SURGE UMA VOZ NO DESERTO - Lição: 12

LIÇÕES BÍBLICAS

Classe: “Ovelhas do Bom Pastor.”
Data: 20 – 09 – 2015.
Lição: 12.                              Título da Lição
 APÓS O SILÊNCIO, SURGE UMA VOZ NO DESERTO
Texto Áureo: “E eis uma voz dos céus dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo”.          (Mt. 3. 1 a )
                                         32– 79 - HC. 
 Leitura Bíblica em Classe                        (Mt. 3: 1 a 11).

1 – E, NAQUELES dias, apareceu João Batista pregando no deserto da Judeia.
2 – E dizendo: Arrependei-vos, porque é chegado o reino dos céus.
3 – Porque este é o anunciado pelo profeta Isaias, que disse: Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas.
4 – E este João tinha o seu vestido de pelos de camelo, e um cinto de couro em torno de seus lombos; alimentava-se de gafanhotos e mel silvestre.
5 – Então ia ter com ele Jerusalém, e toda a Judeia, e toda a província adjacente ao Jordão.
6 – E eram por ele batizados no rio Jordão, confessando os seus pecados.
7 – E, vendo ele muitos dos fariseus e dos saduceus, que vinham ao seu batismo, dizia-lhes: Raça de víboras, quem vos ensinou a fugir da ira futura?
8 – Produzi pois frutos dignos de arrependimento.
9 – E não presumais, de vós mesmos, dizendo: Temos por pai a Abraão, porque eu vos digo que mesmo destas pedras Deus pode suscitar filhos a Abraão.
10 – E também agora está posto o machado à raiz das árvores; toda a árvore, pois, que não produz bom fruto, é cortada e lançada no fogo.
11 – E eu, em verdade, vos batizo com água, para o arrependimento; mas aquele que vem após mim é mais poderoso do que eu; cujas alparcas não sou digno de levar; ele vos batizará com o espírito Santo e com fogo.


 INTRODUÇÃO:
I-  APÓS O SILÊNCIO, SURGE UMA VOZ NO DESERTO

Definição: Assim como havia sido predito pelo profeta derradeiro do Antigo Testamento, cumpre-se o inicio da grande Promessa, ou seja, o nascimento do Salvador. Jesus ao completar seus trinta anos de idade, tempo em que poderia dar segundo a Lei, inicio ao seu Ministério terreno. Mas como já estava predito, João que recebeu cognome de Batista por causa dos batismos que realizava no rio Jordão, preparou o Caminho, alertando o remanescente daquele povo que havia ficado sem profeta durante quatrocentos anos. E  João, dizia que, em verdade batizava com água, mas o que viria após ele, iria batizar com o Espírito Santo e com fogo. E alertava àquele povo que Jesus, também viria com a pá, para limpar a sua eira e recolher no celeiro o seu trigo, quanto a palha que para nada presta, mandaria para o fogo (Mt. 3: 12). Observação: EIRA, é um terreno que serve para plantio, o Senhor comparou a seu Templo, onde são plantados os seus filhos, está escrito: (Sl. 92: 12 a 15), portanto todos que estão plantados com Cristo, sente alegria em servi-lo. Mas voltemos aos versos 13 a 17, Jesus vem chegando junto ao Jordão para ser batizado por João, para que se cumprisse toda a justiça (Lei). Naquele momento Jesus é aclamado pelo Pai, e o Espírito Santo vem sobre Ele em forma de pomba. Dali recebeu Virtude (Mt. 3: 16, 17). No capítulo 4, Jesus é conduzido pelo Espírito Santo para ser tentado pelo diabo, vejamos que interessante, fica então provado que: Jesus se submeteu vindo de sua Gloria, descer para mostrar a todos nós mediante seu testemunho, do que somos capazes, pois Ele se fez carne, se fez homem, ou seja, humano embora sendo cem por cento Deus. O Pai submeteu o Seu Filho para exemplo. Vejamos a prova: (Mt.4:1 a 11). Na Igreja primitiva acontecia exatamente como aconteceu com Jesus ali no rio Jordão, batizado nas águas, batizado no Espírito Santo, Prontinho para resistir ao diabo. Hoje nem se recebe mais o Senhor Jesus como Salvador. O que o povinho néscio está recebendo é a promessa de ficar rico, pois os falsos profetas que andam por aí, estão ensinando ao povo que, a Semente a qual Jesus fala, não é mais a Palavra, mas sim o dinheiro. E o pior é que o povinho crente que não quer ser estudante da Bíblia, vai caindo na conversa do mercenário. Mas voltemos a nosso estudo desta manhã sobre os feitos Maravilhosos de Jesus quando por aqui andou. Neste mesmo capitulo quatro, vemos a chamada dos primeiros discípulos, exatamente como foi predito pelo profeta Isaias (Mt. 4: 12 a 20; Is. 9: 1, 2). Assim deveria acontecer, pois o Senhor Jesus iria trabalhar com exemplos, ilustrações, e vendo ali homens pescadores, comparou as almas perdidas aos peixes fora d´água, (Palavra e salvação). Sendo assim fez a primeira chamada. Verso 19. Então ali foram chamados os quatro primeiros discípulos, com esses, Jesus passou a percorrer toda a Galiléia, mostrando a eles como se faz o trabalho da evangelização, (versos 23 a 25). E os discípulos vivenciando toda aquela maravilha que o Senhor Jesus operava, a intenção do Senhor era justamente que eles aprendessem, pois Ele sabia que seu tempo seria limitado aqui na terra. Quando Jesus viu tão grande multidão, sentiu que seria necessário subir ao monte para ministrar sua Palavra (Mt. 5: 1 a 12), é certo que os discípulos aproximaram-se Dele, para escutar mais de perto, eles não foram ali para orar, mas sim para ouvir a Palavra de ensinamento. Dos versos 13 a 16, os discípulos ali receberam um verdadeiro Maná dos Céus, pois ali Jesus enaltece, dispõe a Sua Luz a cada um daqueles, e a nós hoje também desde o momento em que, verdadeiramente o recebemos como Nosso Senhor e Salvador. Que valor, estamos dando a essas Dádivas? Dos versos 17 em diante Ele passa a limpar a eira, a Palavra agora passa a ser mais exortativa, pois se virava para o povo que estava lá embaixo. Todo aquele povo remanescente do silêncio, vivendo uma vida de horror por conta dos escribas e fariseus, partidários, pois homens ligados a política do império romano, hipócritas, usavam a Lei Divina sem amor, apenas para justificar o judaísmo. Mas porque tudo isso acontecia? É simples de entender: quando o Senhor não tendo mais o que falar áquele povo, calou-se, quando isso aconteceu o Espírito Santo permaneceu no Céu, não haveria mais profeta, o que Ele ficaria fazendo na terra? Então podemos imaginar, a situação que o Senhor Jesus encontrou aquele povo. O maligno havia tomado conta, vemos quantas libertações e curas, foram realizadas por Jesus. Eram muitas opressões e possessões demoníacas. Não temos espaço aqui para enumerá-las. Qual seria a causa da proximidade do mau? O pecado da blasfêmia, da heresia, João Batista chamou os fariseus e saduceus  raça de víboras.

domingo, 13 de setembro de 2015

LIÇÕES BÍBLICAS / HÁ UM MEMORIAL ESCRITO DIANTE DELE - Lição: 11

LIÇÕES BÍBLICAS
Classe: “Ovelhas do Bom Pastor.”.
Data: 13 – 09 – 2015.
Lição: 11.                               Título da Lição
HÁ UM MEMORIAL ESCRITO DIANTE DELE
Texto Áureo: “O filho honrará o pai, e o servo ao seu Senhor; e, se eu sou Pai, onde está a minha honra?”.      (Ml. 1: 6a)
                                       
                                      455  –  272 - HC.

 Leitura Bíblica em Classe                         (Ml. 3: 1 a 9).
1 – EIS que eu envio o meu anjo, que preparará o caminho diante de mim: e de repente virá ao seu templo o Senhor, a quem vós buscais, o anjo do concerto, a quem vós desejais; eis que vem, diz o Senhor dos exércitos.
2 – Mas quem suportará o dia da sua vinda? e quem subsistirá, quando ele aparecer? porque ele será como o fogo do ourives e como o sabão dos lavandeiros.
3 – E assentar-se-á, afinado e purificando a prata; e purificará os filhos de Levi, e os afinará como ouro e como prata: então ao Senhor trarão ofertas em justiça.
4 – E a oferta de Judá e de Jerusalém será suave ao senhor, como nos dias antigos, e como nos primeiros anos.
5 – E chegar-me-ei a vós para juízo, e serei uma testemunha veloz contra os feiticeiros e contra os adúlteros, e contra os que defraudam o jornaleiro, e pervertem o direito da viúva, e do órfão, e do estrangeiro, e não me temem, diz o Senhor dos Exércitos.
6 – Porque eu, o Senhor, não mudo; por isso vós, ó filhos de Jacó, não sois consumidos.
7 – desde os dias dos vossos pais vos desviastes dos meus estatutos, e não os guardastes: tornai vós para mim, e eu tornarei para vós, diz o Senhor dos Exércitos; mas vós dizeis: Em que havemos de tornar?
8 – Roubará o homem a Deus? todavia vós me roubais, e dizeis: Em que te roubamos: Nos dízimos  e nas ofertas alçadas.
9 – Com maldição sois amaldiçoados, porque me roubais a mim, vós toda a nação.

INTRODUÇÃO:

I- HÁ UM MEMORIAL ESCRITO DIANTE DELE
Definição: Definindo o último livro do Antigo Testamento, encontramos pelo menos três pontos importantes, que se deve observar nos três primeiros capítulos: O peso da palavra do Senhor contra toda sorte de ingratidão. Malaquias transmite ao povo toda a angústia sentida pelo Senhor, é como se fosse hoje, exatamente o mesmo sentimento provindo da parte do Senhor, embora grande parte da profecia contida nesse livro já tenha se cumprido. No capitulo primeiro há uma chamada direta aos responsáveis, àqueles que se dizem pastores, sacerdotes, desonrando-o como Pai e Senhor: “O filho honrará o pai, e o servo ao seu senhor, e se eu sou Pai, onde está a minha honra?” (Ml. 1: 6). Esta fala do Nosso Senhor é direcionada aos pastores, sacerdotes, homens que haviam sido chamados, ou seja, escolhidos pelo Senhor, e transgrediram, trazendo coisa imunda e colocando sobre o Altar. Escolhiam o que havia de pior, (Ml. 1: 6 a 10). Mas o Senhor apesar de toda aquela ingratidão recebida ali por parte daquela descendência de Jacó, que Ele amava, havia ainda Nele uma Esperança, atentemos bem para a questão: estamos no último livro do Antigo Testamento, até aqui o Senhor Deus Pai pelejou com aquela gente rebelde e contumaz, desde a saída do Egito, portanto foram esses os últimos relatos de desgosto, e de renovação das Divinas Promessas. Então vejamos o que nos diz o verso 11: “Mas desde o nascente do sol até ao poente será grande entre as nações o meu nome; e em todo lugar se oferecerá ao meu nome incenso e uma oblação pura; porque o meu nome será grande entre as nações, diz o Senhor dos Exércitos.” Aqui vemos claramente a Esperança, aquela que junto ao Amor e a Fé (atributos Divinos) permanecem nos Céus (I CO. 13: 13). O Senhor sempre confiante naquela promessa feita lá no Éden. Então vemos que tanto no capítulo 1 e 2 do livro em estudo, que fecha o Antigo Testamento, o Senhor vai descrevendo o triste estado da alma daquele povo, os versos 12 e 13 do capítulo 1, relatam que levavam ao altar até coisas roubadas, e ofereciam ao Senhor. Será que o mesmo não estará acontecendo nos dias atuais? Quem sabe não está acontecendo até um pouco pior? Desde que a Santa Doutrina cessou de gotejar no desde o Altar, nos Templos, cessou também a chamada para o Santo Ministério, isto com certeza! (Dt. 32: 2). Pois se não há Temor, Reverencia ao Sagrado, ou seja, aos Mandamentos da Lei Divina, como poderá haver homens consagrados ao Santo Ministério da Casa do Senhor? Impossível. Hoje os homens se chamam, se intitulam pastores, por conta da ganância, tornaram-se cães gulosos (Is. 56: 10, 11). Até no meio dos pastores antigos houve esses desvios, pois quando começaram a introduzir dentro dos templos, principalmente das Assembleias de Deus, toda sorte de paganismo, comercio, dissolução do casamento, casando divorciados e etc., (Ml. 2:10 a 12). Às mulheres foi permitido mudarem as vestes, (Dt. 5: 22), em fim caíram da fé, e hoje o que se vê é uma verdadeira devassa no meio dessa gente. Quando rememoramos a História dos pioneiros que por Divina Revelação, foram trazidos da Suécia ao Brasil, na missão de implantar o Pentecostes, ou seja, o Batismo com o Espírito Santo, para que houvesse nessa terra o Poder do Alto, o principal requerimento do Senhor era que todos, os que fossem chamados ao Santo Ministério, cuidassem da Doutrina e dos Dons Espirituais. Mas infelizmente isso durou pouco tempo, e os tais pastores ficaram igualzinho aos do tempo do profeta Malaquias. Mas, naquele período o Senhor ainda aguardava que, no cumprimento da Promessa feita lá no Éden, tudo seria diferente, afinal Ele estaria lançando Seu Único Filho à morte em prol de todos os transgressores. E assim quando chegamos ao capítulo três, vemos Renovada a Promessa. A vinda do Senhor Jesus precedida por um anjo que prepararia o Caminho. E esse anjo sabemos muito bem que o Senhor estava se referindo a  João Batista, ele veio como anjo do concerto. (Ml. 3: 1 a 3). Isto se cumpriu na íntegra, pois: “Tudo passará... (Mt. 24: 35). É nesta certeza que devemos caminhar, pois triste seria para a humanidade se o Senhor andasse na moda, fosse permissivo, mudasse as leis, e etc. Acontece que  Ele não muda, os falsos pregadores modernos andam levando o povinho néscio a abolir o Antigo Testamento, dizendo que todas aquela ordenanças foram para os judeus, acontece que na epístola aos gálatas está bem clara no cap. 3: 6 a 8. Neste texto fica muita clara a questão para os que querem derrubar o AT, pois a promessa feita a Abraão de que todas as nações seriam benditas nele. Portanto tratemos de obedecer, pois a vinda está próxima.

domingo, 6 de setembro de 2015

LIÇÕES BÍBLICAS / E VIRÁ O DESEJADO DE TODAS AS NAÇÕES - Lição: 10

LIÇÕES BÍBLICAS
Classe: “Ovelhas do Bom Pastor.”.
Data: 06 – 09 – 2015.
Lição: 10.                               Título da Lição
E VIRÁ O DESEJADO DE TODAS AS NAÇÕES
Texto Áureo: “Exulta e alegra-te, ó filha de Sião, porque eis que venho, e habitarei no meio de ti, diz o Senhor.” (Zc. 2: 10)
                                       
                                           442  –  157 - HC.
 Leitura Bíblica em Classe:                         (Zc. 14: 1 a 9)
1 – Eis que vem um dia do Senhor, em que os teus despojos se repartirão no meio de ti.
2 – Porque eu ajuntarei todas as nações para a peleja contra
Jerusalém; e a cidade será tomada, e as casas serão saqueadas, e as mulheres forçadas; e metade da cidade sairá para o cativeiro, mas o resto do povo não será expulso da cidade.
3 – E o Senhor sairá, e pelejará contra estas nações, como no dia em que pelejou no dia da batalha.
4 – E naquele dia estarão os seus pés sobre o monte das Oliveiras, que está defronte de Jerusalém para o oriente; e o monte das Oliveiras será fendido pelo meio, para o oriente e para o ocidente, e haverá um vale muito grande; e metade do monte se apartará para o norte, e a outra metade dele para o sul.
5 – E fugireis pelo vale dos meus montes (porque o vale dos montes chegará até Azel), e fugireis assim como fugistes do terremoto nos dias de Uzias, rei de Judá: então virá o Senhor meu Deus, e todos os santos contigo, ó Senhor,
6 – E acontecerá naquele dia, que não haverá preciosa luz nem espessa escuridão.
7 – Mas será um dia conhecido do Senhor; nem dia nem noite será; e acontecerá que no tempo da tarde haverá luz.
8 – Naquele dia também acontecerá que correrão de Jerusalém águas vivas, metade delas para o mar oriental, e metade delas até ao mar ocidental: no estio e no inverno sucederá isto.
9 – E o Senhor será rei sobre toda a terra: naquele dia um será o Senhor, e um será o seu nome.


 INTRODUÇÃO:

I- E VIRÁ O DESEJADO DE TODAS AS NAÇÕES
Definição: Zacarias, profeta pós-cativeiro, contemporâneo do profeta Ageu. Pelos escritos, o ministério de Zacarias começa dois meses após a missão profética de Ageu (Ag. 1: 1; Zc. 1: 1), portanto um pequeno espaço. As vezes parece ser um pouco confusa a questão de ter havido dois profetas praticamente na mesma ocasião, mas quando passamos a estudar o conteúdo do livro, passamos a compreender que havia algo mais, além da exortação para que o povo se arrependesse e se voltasse para o Senhor. Isto Ageu fez muito bem. Como sempre acontecia desde o êxodo, durante toda a peregrinação pelo deserto, Moisés ali o tempo todo transmitindo a Palavra do Senhor àquele povo rebelde, até chegar ao ponto que o Senhor não tendo mais o que fazer, nem o que falar, permitiu aquele terrível cativeiro de 70 anos. Em fim, o Amor Divino é realmente imensurável! Eis a razão: A Promessa feita lá no Éden, mas estejamos atentos, pois, a Longanimidade do Senhor, ou seja, a paciência um dia terá fim, quando? Após o rapto da Igreja, dali segue-se a grande tribulação e o Juízo final. Portanto vamos aprender nessa manhã uma coisa muito importante: deixando um pouco de lado a questão exortação ao povo. Vejamos nessa lição o lado messiânico do profeta Zacarias, talvez seja ele o profeta mais messiânico de todos os livros do Antigo Testamento. No Novo Testamento vemos as referências que se cumpriram acerca do sofrimento do Messias. Então Zacarias em mensagem profética passa a transmitir mensagens que vão mencionando sobre o Reino do Messias. E logo nos deparamos com o texto do capítulo 3, que faz referência a Jesus como o Renovo (Zc. 3: 8). Realmente, o Senhor Jesus veio para dar Renovo, as coisas velhas são passadas, tudo se faz novo quando Cristo é recebido com alegria (II Co. 5: 17), Jesus também veio para ser nosso Rei e Sacerdote “Ele mesmo edificará o templo do Senhor, e levará a gloria, e assentar-se-á, e dominará no seu trono, e será sacerdote no seu trono, e conselho de paz haverá entre eles ambos.” (Zc. 6: 13), Que Maravilha! E este texto também nos chama atenção sobre os terríveis acontecimentos destes tempos presentes, é notório que o Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo já não é mais levado a sério, pois já está havendo corrupção no meio do povo que se diz crente, estão criando outras bíblias, estão levando para dentro dos “templos” o paganismo, as festas mundanas, a dissolução do casamento, o comércio da Palavra de Deus a todo vapor não só no pseudo templo, mas também no meio dos cantadores de canções que chamam de hino, mas na verdade sem nenhuma Unção do Espírito Santo, é claro que o Espírito Santo está longe dessa devassa.  Sem se falar na enxurrada de mulheres pastoras. Mas voltando a Promessa do Salvador no livro do profeta Zacarias, ele dá um expressivo relato sobre a traição de Judas por conta de trinta peças de prata (Zc. 11: 12, 13; Mt. 27: 9). Sua crucificação (Zc. 12: 10), seus sofrimentos (Zc. 13: 7 a 9), sua segunda vinda (Zc. 14: 4 a 9). Ainda temos muitas referências sobre o Messias, contendo profundo significado, por exemplo: A entrada de Jesus em Jerusalém (Zc. 9: 9), confere com Mateus cap. 21: 4 a 11. Estas mensagens proferidas por Zacarias aconteceram quatrocentos anos antes do nascimento de Jesus. Antes do silencio que o Senhor fez por conta do grandíssimo desamor do povo que Ele escolheu. As vezes é bom parar um pouco para meditar na questão das escolhas, ser escolhido é ser privilegiado, principalmente se essa escolha é feita por Aquele que deu a seu único Filho para expiação de todos os pecados. Geralmente essa escolha vem no momento mais crucial de nossa vida, quando todas as esperanças já não existem, então vem a providencia Divina, e estende sua mão desde os altos Céus: “Assim diz o Senhor: No tempo favorável te ouvi e no dia da salvação te ajudei, e te guardarei, e te darei por concerto do povo, para restaurares a terra, e lhe dares em herança as herdades assoladas:” (Is. 49: 8). Eis aí a missão, a razão da salvação, eis aí a receita, o que fazer após receber tão grande salvação? Ir, dar de graça o que de graça recebeu (Mt. 10: 8), esse é o primeiro estágio que se faz após a salvação, não há outra forma de integração, de aprimoramento, em fim, todo o desenrolar de uma vida ativa nos trabalhos Sagrados, provém do Ide. O maior exemplo está descrito claramente na vida dos Apóstolos, antes de serem Apóstolos TODOS tiveram que passar pelo discipulado no campo, ou seja, na Evangelização, esta foi a última ordem de Jesus antes de ser oculto pela Nuvem, (At. 1: 8). Portanto, estejamos apercebidos, há uma urgência no trabalho de campo, até que venha o Desejado de todas as nações.