Translate

domingo, 31 de janeiro de 2016

LIÇÕES BÍBLICAS / MAR VERMELHO, VIDA NOVA! - Lição: 05

LIÇÕES BÍBLICAS
Classe: “Ovelhas do Bom Pastor”.
Data: - 31 – 01 – 2016.
Lição: 05
Titulo da Lição:                         MAR VERMELHO, VIDA NOVA!

Texto Áureo: “Então disse o Senhor a Moisés: Por que clamas a mim? Dize aos filhos de Israel que marchem.”  (Êx.. 14: 15)
          102 – 103 – HC-

Leitura Bíblica em Classe:                                          (Êx. 13: 17 a 22; 14: 1 a 8)
17 – E aconteceu que, quando Faraó deixou ir o povo, Deus não os levou pelo caminho da terra dos filisteus, que estava mais perto; porque Deus disse: Para que porventura o povo não se arrependa, vendo a guerra, e tornem ao Egito.
18 – Mas Deus fez rodear o povo pelo caminho do deserto perto do Mar Vermelho: e subiram os filhos de Israel da terra do Egito armados.
19 – E tomou Moisés os ossos de José consigo, porquanto havia este estreitamente ajuramentado aos filhos de Israel, dizendo: Certamente Deus vos visitará; fazei pois subir daqui os meus ossos convosco.
20 – Assim partiram de Sucote, e acamparam em Etã, à entrada do deserto.
21 – E o Senhor ia adiante deles, de dia numa coluna de nuvem, para os guiar pelo caminho, e de noite numa coluna de fogo, para os alumiar, para que caminhassem de dia e de noite.
22 – Nunca tirou de diante da face do povo a coluna de nuvem, de dia, nem a coluna de fogo, de noite.
1 – ENTÃO falou o Senhor a Moisés, dizendo:
2 – Fala aos filhos de Israel que voltem, e que acampem diante de Pi-Hairote, entre Migdol e o mar, diante de Baal-Zefom: em frente dele assentareis ao campo junto ao mar.
3 – Então Faraó dirá dos filhos de Israel: Estão embaraçados na terra, o deserto os encerrou.
4 – E eu endurecerei o coração de Faraó, para que os persiga, e serei glorificado em Faraó e em todo o seu exército, e saberão os egípcios que eu sou o Senhor. E eles fizeram assim.
5 – Sendo pois anunciado ao rei do Egito que o povo fugia, mudou-se o coração de Faraó e dos seus servos contra o povo, e disseram: Por que fizemos isso havendo deixado ir a Israel, para que nos não sirva?
6 – E aprontou o seu carro, e tomou consigo o seu povo;
7 – E tomou seiscentos carros escolhidos, e todos os carros do Egito, e os capitães sobre eles todos.
8 – Porque o Senhor endureceu o coração de faraó, rei do Egito, para que perseguisse aos filhos de Israel; porém os filhos de Israel saíram com alta mão.                

 INTRODUÇÃO:

I – MAR VERMELHO, VIDA NOVA!
Definição: Esta é a mais perfeita definição que podemos dar àquela situação tão promissora, a qual o Senhor com todo esmero que lhe é próprio, ou seja, sempre preparando cousas excelentes para seu povo. Vamos hoje mais uma vez ouvir sobre a travessia do Mar Vermelho. Vale sempre ter cada dia em nossa memória que, o Senhor tem ainda nos dias atuais, grandes planos para seu povo, Ele separa lá nos altos Céus os melhores Dons de Seu Santo Espírito para nos entregar, enfim, toda boa Dádiva vem do Senhor (Tg. 1: 17, 18), mas infelizmente a grande maioria não faz nenhuma questão de receber, porquê? Por que o amor a Deus ainda foi suficiente para que pudesse alcançar essas Maravilhas preparadas desde o principio, ou seja, desde que o homem pecou lá no Jardim, ali já era o Céu aqui na terra, mas esse Céu teve que voltar. Assim acontece com os Dons concedidos, eles muitas vezes voltam, retornam aos Céus para as Mãos de quem nos entregou. Então, voltando a questão do título de nossa lição de hoje, vemos que, o Senhor ali começou a preparar o melhor caminho para o povo salvo da escravidão do Egito, os crentes gostam de se referir àquela escravidão comparando o Egito com o mundo de pecados que dantes viviam, quando ainda não haviam se decidido a seguir a Jesus. Acontece que seguir a Jesus é seguir um Mestre que a todo tempo está ensinando o Caminho que conduz aos Céus, Ele é esse Caminho.  Assim o Senhor trabalhou na vida de um homem chamado Moisés, Moisés foi um homem que o Senhor preparou durante oitenta anos. Quarenta anos no palácio criado pela filha de Faraó, ali ele foi instruído em tudo que se diz respeito a conhecimentos científicos, desde as leis a ciências médicas, enfim, tornou-se um homem preparado para tudo. Depois mais quarenta anos trabalhando nos campos de Midiã. Ali ele foi conhecer um outro lado da vida, pois dali para frente sua vida seria num deserto carregando um povo obstinado que não chegou a lugar nenhum, ou a qualquer lugar menos ao determinado pelo Senhor. É como os crentes da atualidade; estão caminhando, mas não se sabe pra onde. Mas voltando a milagrosa saída da escravidão que tanto desejaram, tanto clamaram gemendo: “E disse o Senhor: Tenho visto atentamente a aflição do meu povo, que está no Egito, e tenho ouvido o seu clamor por causa dos seus exatores, porque conheci as suas dores. Portanto desci para livra-lo da mão dos egípcios e para fazê-lo subir daquela terra, a uma terra boa e larga, a uma terra que mana leite e mel; ao lugar do cananeu, e do ferezeu, e do heveu, e do jebuseu.” (Êx. 3: 7, 8). Nestas referencias vemos que o Senhor já tinha feito seus maravilhosos planos para com o seu povo, embora ainda escravizados, os planos já estavam todos prontos no coração do Senhor. Já havia uma terra boa à espera deles. O Senhor conservava em si mesmo um apresso muito grande com aquele povo, afinal a Raiz e os Ramos eram santos, nunca poderemos esquecer-nos de voltar lá atrás, em Abraão e suas Promessas, (raiz), em Jacó passam a ser transferidas todas as promessas feitas a Abraão; (Gn. 28: 13, 14). Daí para mais a frente vem os ramos. E são esses ramos que estavam sofrendo lá no Egito. Mas voltando a questão; a terra a qual o Senhor já havia preparado para eles era realmente muito boa, basta dizer que, um cacho de uvas tinha que ser transportado por dois homens,  era uma fartura extraordinária! A terra era excelente! Acontece que, lá dentro morava um povo muito bravo, mas o Senhor tinha certeza pelo menos esperava que aquele povo forte de raiz, iria, aliado à força do Senhor, e no poder da obediência, vencer colocando para fora aquele povo com muita facilidade. Mas infelizmente não foi isto que aconteceu. Vamos também retroceder aqui um pouco na saída do Egito; foi-lhes permitido que trouxessem com eles uma mistura de gente (Êx. 12: 37, 38). Às vezes parece incrível até que ponto o Senhor deposita confiança no “seu” povo. Podemos comparar esta tão santa confiança,  com certos pais que educam seus filhos muito bem educados, na ética e na moral, mas eles crescem, e começam a ter contato com vários tipos de gente, quer seja na escola, brincando na rua, e etc., e os pais ficam um tanto tranquilos confiando naquela educação que deu aos filhos, quando alguém de fora percebe alguma pequeníssima inflação naquele moçinho ou naquela moçinha, a mãe logo diz: eu confio na educação que dei aos meus filhos. Não é assim que muitas vezes se ouve? Assim também acontece com o Senhor nosso Pai Celestial, por mais incrível que possa parecer.  Ele confia e espera que através de tantos ensinamentos que o “povo de Deus” tem recebido através de Sua Palavra, e por ser Três vezes Santo. Diz as Sagradas Escrituras que o Senhor colocou em nós quando com suas Próprias Mãos confeccionou-nos do pó da terra, colocou no homem que hoje somos nós, todos os seus Atributos, dizendo: “E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme à nossa semelhança; e domine sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre o gado, e sobre toda a terra, e sobre todo réptil que se move sobre a terra.” (Gn. 1: 26). Acontece que muitas vezes Ele vai se surpreender, quando percebe que, aquele povo tirado com Mão forte das garras da escravidão contaminaram-se com outras linhas de seguimentos. Voltando aos estrangeiros que saíram com eles; o Senhor fala explicitamente; numa mistura de gente (Êx. 12: 38), mas o Senhor nunca poderia imaginar que, depois do grande milagre da travessia do Mar Vermelho, a pés enxutos, o “povo santo” fosse  seguir os vulgos, nas suas feitiçarias, e em outros modos de viver, eu penso que no mínimo o Senhor pensou que fosse acontecer totalmente o contrário, aquele povo se converteria ao Deus de Israel. Porque? Por que desde o principio lá nas promessas feitas a Abraão, Ele fala sobre todas as famílias da terra, isto deixa bem clara a razão pela qual o Senhor permitiu a saída de outros povos do Egito. O Senhor confiou no “povo santo”, mas o tal povinho o traiu, o enganou, o que na verdade eles queriam era sair do cativeiro. Nunca se interessaram por entrar em Canaã, como os crentes da modernidade, nem creem que o Céu existe, por isso traem a confiança do Senhor todos os dias. Portanto podemos dizer que 99 % dos crentes vão permanecer como crentes seguindo as misturas, ou seja, seguindo os vulgos, os vulgos não entram em Canaã. Em Nu. 11: 4, deixa clara a influencia que o vulgo exerce sobre o “povo de Deus”, estão sempre lembrando do Egito.

domingo, 24 de janeiro de 2016

LIÇÕES BÍBLICAS / JOSÉ, UM SOLDADO PRONTO - Lição: 04

LIÇÕES BÍBLICAS
Classe: “Ovelhas do Bom Pastor”.
Data: - 24 – 01 – 2016.
Lição: 04
Titulo da Lição:     JOSÉ, UM SOLDADO PRONTO.

Texto Áureo: “Passando pois os mercadores midianitas, tiraram, e alçaram a José da cova, e venderam José por vinte moedas de prata aos ismaelitas, os quais levaram José ao Egito”.                                                     (Gn. 37: 28)
126 – 273 – HC-
Leitura Bíblica em Classe:                                 (Gn. 39: 2 a 14)
2 – E o Senhor estava com José, e foi varão próspero, e estava na casa de seu Senhor egípcio.
3 – Vendo pois o seu senhor que o Senhor estava com ele, e que tudo o que ele fazia o Senhor prosperava em sua mão,
4 – José achou graça em seus olhos, e servia-o; e ele o pôs sobre a sua casa, entregou na sua mão tudo o que tinha.
5 – E aconteceu que, desde que o pusera sobre a sua casa, e sobre tudo o que tinha, o Senhor abençoou a casa do egípcio por amor de José; e a benção do Senhor foi sobre tudo o que tinha, na casa e no campo.
6 – E deixou tudo que tinha na mão de José, de maneira que de nada sabia do que estava com ele, a não ser do pão que comia. E José era formoso de parecer, e formoso à vista.
7 – E aconteceu depois dessas cousas que a mulher de seu senhor pôs os seus olhos em José, e disse: Deita-te comigo.
8 – Porém ele recusou, e disse à mulher do seu Senhor: Eis que o meu Senhor não sabe do que há em casa comigo, e entregou em minha mão tudo o que tem;
9 – Ninguém há maior do que eu nesta casa, e nenhuma cousa me vedou, senão a ti, porquanto tu és sua mulher; como pois faria eu este tamanho mal, e pecaria contra Deus?
10 – E aconteceu que, falando ela cada dia a José, e não lhe dando ele ouvidos para deitar-se com ela, e estar com ela,
11 – Sucedeu num certo dia que veio à casa para fazer o seu serviço; e nenhum dos da casa estava ali;
12 – E ela lhe pegou pelo seu vestido, dizendo: Deita-te comigo. E ele deixou o seu vestido na mão dela, e fugiu, e saiu para fora.
13 – E aconteceu que, vendo ela que deixara o seu vestido em sua mão, e fugira para fora,


14 – Chamou aos homens de sua casa e falou-lhes, dizendo: Vede, trouxe-nos o varão hebreu, para escarnecer de nós; entrou até mim para deitar-se comigo, e eu gritei com grande voz.

INTRODUÇÃO:
I – JOSÉ, UM SOLDADO PRONTO.
Definição: Podemos definir esse moço chamado José, mais que um soldado pronto, um justo abençoado desde a sua infância. Uma história já bastante conhecida de todos nós, mas, uma das grandes necessidades que temos, é a de estar sempre voltando lá atrás, recordando os bons exemplos de pessoas que foram como nós, que passaram por diversas situações que servem de exemplos em todos os tempos. Nesta manhã estamos recordando uma das histórias mais lindas do Antigo Testamento; a história de um moço bem jovem que sofreu vitupério, pelos próprios irmãos de sangue. Qual teria sido a razão? Tudo começa na vida de certas pessoas que não se preparam nunca para receber a Palavra de Deus, ou seja, não crescem espiritualmente falando, permanecem sempre como meninos inconstantes na presença do Senhor. Uns na questão da desobediência, outros com tendências a partidarismos, como acontecia muito na gestão do Apóstolo Paulo, as facções dentro da Casa de Deus. Poderíamos citar vários exemplos dos acontecimentos, mas somente um, por exemplo: “Com leite vos criei, e não com manjar, porque ainda não podíeis, nem tão pouco ainda agora podeis; Porque ainda sois carnais: pois, havendo entre vós inveja, contendas e dissensões, não sois porventura carnais, e não andais segundo os homens?” (I Cor. 3: 2, 3). Tudo começa com amargura, que vai puxando outros sentimentos que juntos formam um dos sentimentos mais perigosos; o rancor, o rancor serve de adubo no pé de uma raiz, ou seja, a raiz da amargura, essa raiz brotou no coração dos irmãos de José, ao ponto de intentarem matá-lo. Paulo nos adverte: “Tendo cuidado de que ninguém se prive da graça de Deus, e de que nenhuma raiz de amargura brotando, vos perturbe, e por ela muitos se contaminem.” (Hb. 12: 15). Começa como sentimento de amargura, depois à medida em que a pessoa vai adubando a terra da alma com maus pensamentos, suspeitando mal, as ramas vão crescendo e vai perturbando, pois  começam a querer sair pelos olhos, pelos ouvidos, é muito interessante a forma como o Senhor usava o Apóstolo Paulo, quando ele menciona a questão; brotar, se brotar vai perturbar. E o mais interessante ainda é quando ele diz acerca de seguir a paz com todos, responsabilidade pessoal. Foi exatamente o que aconteceu com os pobres irmãos de José. José na sua simplicidade queria conversar com seus irmãos, contar para eles os sonhos lindos que sonhava, a história dá-no entender que nem mesmo José estava entendendo os seus sonhos, mas a amargura que havia no coração deles, por conta do ciúme que eles sentiam do pai, transformou-se num sentimento terrível chamado rancor, e esse rancor serviu de adubo no pé da raiz de amargura fazendo com que ela brotasse. Aí deu no que deu. Intentaram mata-lo. Vejamos: “E disseram uns aos outros: Eis lá vem o sonhador-mor! Vinde pois agora, e matemo-lo, e lancemo-lo numa destas covas, e diremos: Uma besta-fera o comeu; e veremos que será dos seus sonhos.”(Gn. 37: 19,20)
Mas voltando ao jovem José, é sempre motivo de grande alegria em sabermos que qualquer maldade que intentarem fazer contra os ungidos do Senhor como no caso de José, que já havia recebido a Unção do alto, é perda de tempo, pois só contribuirá para que Deus execute seus propósitos para o bem daqueles que o amam. Foi assim na vida de José, pela sua maravilhosa fidelidade ao Senhor, estava tão longe de imaginar um intento tão cruel vindo da parte de seus irmãos de sangue contra ele, não encontramos nenhum relato sobre a reação de José, ou o que José possa ter pensado ou dito, ou se ele esperneou, gritou, falou mal na hora em que por opinião de seu irmão Rúben que achou melhor não matá-lo, mas que ele fosse lançado na cova que estava no deserto; “Também lhes disse Ruben: Não derrameis sangue; lançai-o nesta cova, que está no deserto, e não lanceis  mãos nele; para livra-lo das suas mãos, e para torná-lo a seu pai.” (Gn. 37: 22). Aqui é coisa muito séria, o estado espiritual desses irmãos de José, ultrapassou os feitos do maligno, pois, a orientação de Ruben foi que lançassem José naquela cova aos pontapés. Outro fato que nos chama atenção nessa fala de Ruben é que eles não estavam mais considerando Jacó como pai. Após arrancar-lhe a túnica, deixando-o em trajes menores, e lançando-o na cova, assentaram-se a comer. (Gn. 37: 23 a 25). A ideia era deixa-lo lá naquele deserto até morrer, sem água e sem comida ao relento. Mas acontece que o Senhor guarda todos aqueles que lhe são queridos, jamais iria abandoná-lo, no mesmo instante surge uma companhia de ismaelitas, e ele foi vendido como escravo. José na condição de ovelha permanece calado, portanto o que se vê e o que se sente nesta linda história é o caráter desse moço, um caráter exemplar. Enquanto transcorria aquela viagem para o Egito, o Senhor Todo Poderoso, já havia preparado tudo para a sua chegada. O Senhor escolheu um homem já pronto,  para comprá-lo das mãos dos ismaelitas. Vejamos o que nos diz a Palavra de Deus: “E JOSÉ foi levado ao Egito, e Potifar, eunuco de Faraó, capitão da guarda, varão egípcio, comprou-o dos ismaelitas que o tinham levado lá.” (Gn. 39: 1). Estamos quase sempre mencionando aqui em nossa Congregação que, o Senhor tem tantos planos bons para nós, mas o triste da questão é que alguns não creem, não valorizam, não recebem, assim foi na vida daqueles irmãos criminosos. No dia em que venderam o irmão por vinte moedas de prata, como isso saiu caro anos depois, tudo que se planta se colhe, passe o tempo que passar, o Senhor é longânimo. Ali naquela terra estranha o Senhor provou a José, mas porque será que José passou na prova? A resposta é muito simples; só é provado os leais à Palavra do Senhor, esses tais tornam-se pessoas sérias, nunca sinceras, mas sérias, é claro que José passou vitorioso pela prova! O mais surpreendente é que não temos conhecimento de que José tinha Culto com o Senhor todas viradas da tarde, nem pelo menos um dia na semana ele tinha a alegria de aprender numa escola dominical lições que daria para converter um mundo inteiro, não José não tinha nenhum desses privilégios, no entanto guardava a FÉ, apesar de estar numa terra pagã.  Muito teríamos o que mencionar desse moço exemplar, representante da IGREJA de Jesus. Apesar do procedimento de seus irmãos, José desejou mesmo depois de sua morte, estar sempre com eles. (Gn. 50: 22 a 26; Ex. 13: 19).     

domingo, 17 de janeiro de 2016

LIÇÕES BÍBLICAS / QUAL ESCADA CONDUZ AOS CÉUS? - Lição: 03

LIÇÕES BÍBLICAS
Classe: “Ovelhas do Bom Pastor”.
Data: - 17 – 01 – 2016.
Lição: 03
Titulo da Lição:     QUAL ESCADA CONDUZ AOS CÉUS?

Texto Áureo: “O Senhor ama as portas de Sião, mais do que todas as habitações de Jacó. Cousas gloriosas se dizem de ti ó cidade de Deus.” (Sl. 87: 2, 3)
40 – 175 – HC-
Leitura Bíblica em Classe:                                  (Gn. 28: 1 a 14)
1 – E ISAQUE chamou a Jacó, e abençoou-o, e ordenou-lhe, e disse-lhe: Não tomes mulher de entre as filhas de Canaã:
2 – Levanta-te, vai a Padã-Arã, à casa de Betuel, pai de tua mãe, e toma de lá uma mulher das filhas de Labão, irmão de tua mãe;
3 – E Deus Todo-poderoso te abençoe, e te faça frutificar, e te multiplique, para que sejas uma multidão de povos;
4 – E te dê a benção de Abraão, a ti e a tua semente contigo, para que em herança possuas a terra de tuas peregrinações que Deus deu a Abraão.
5 – Assim enviou Isaque a Jacó, o qual se foi a Padã-Arã, a Labão, filho de Betuel arameu, irmão de Rebeca, mãe de Jacó e de Esaú.
6 – Vendo pois Esaú que Isaque abençoara a Jacó, e o enviara a Padã-Arã, para tomar mulher para si dali, e que, abençoando-o, lhe ordenara dizendo: Não tomes mulher das filhas de Canaã;
7 – E que Jacó obedecera a seu pai e a sua mãe, e se fora a Padã-Arã:
8 – Vendo também Esaú que as filhas de Canaã eram más aos olhos de Isaque seu pai,
9 – Foi-se Esaú a Ismael, e tomou para si por mulher, além das suas mulheres, a Maalate filha de Ismael, filho de Abrão, irmã de Nebaiote.
10 – Partiu pois Jacó de Berseba, e foi-se a Harã;
11 – E chegou a um lugar onde passou a noite, porque já o sol era posto; e tomou uma das pedras daquele lugar, e a pôs por sua cabeceira, e deitou-se naquele lugar.
12 – E sonhou: e eis uma escada era posta na terra, cujo topo tocava nos céus: e eis que os anjos de Deus subiam e desciam por ela;
13 – E eis que o Senhor estava em cima dela, e disse: Eu sou o Senhor, o Deus de Abraão teu pai, e o Deus de Isaque: esta terra, em que estais deitado, ta darei a ti e à tua semente.

14 – E a tua semente será como o pó da terra, e estender-se-á ao ocidente, e ao oriente, e ao norte, e ao sul, e em ti e na tua semente serão benditas todas as famílias da terra:

INTRODUÇÃO:

I – QUAL ESCADA CONDUZ AOS CÉUS?


Definição: Na verdade toda definição na vida do ser humano provém do Senhor. Assim temos Jacó como exemplo vivo dos propósitos Divinos desde antes do nascimento. Já várias vezes temos aprendido que; desde a madre se comete pecados, transgredindo, agredindo, e até matando, temos visto o grande exemplo de Esaú e Jacó: “E Isaque orou instantemente ao Senhor por sua mulher, porquanto era estéril; e o Senhor ouviu as suas orações, e Rebeca sua mulher concebeu. E os filhos lutavam dentro dela.” (Gn. 25: 21, 22 a). Vemos então que, mesmo na condição de fetos, o livre arbítrio prevalece. Mas ao nascer, dependendo da família, esses seres humanos vão recebendo as devidas instruções sobre o Senhor, os seus ensinamentos, é também ensinada às crianças ainda bem pequenas a oração do Pai nosso, pois é dever dos pais falar aos filhos desde a sua mais tenra idade sobre o Deus dos Céus. E podemos ter certeza que pelo menos a mãe Rebeca deve ter muito instruído seus filhos, e também orado muito, principalmente por Esaú. Acontece que na vida de Esaú não houve Palavra de Deus nem oração que mudasse o caráter daquele moço, porque será? O direito de escolha. Mas o que nesta manhã devemos nos atentar é para a conduta de Jacó. A Palavra diz que Jacó saiu de Berseba para Harã, e podemos imaginar a distancia que Jacó percorreu até chegar àquele lugar localizado na Mesopotâmia que quer dizer: entre rios (Berseba), acontece que Jacó foi mais além, ele foi para Harã que era deserto, chegando o anoitecer, Jacó cansado da viagem é impulsionado a pegar uma pedra por travesseiro, ele jamais poderia imaginar que aquela pedra seria o marco de uma nova história, em sua vida. Ele poderia ter pego qualquer outro objeto para lhe servir de travesseiro, mas ali houve uma direção divina, ao colocar a cabeça na pedra adormeceu e sonhou um lindo sonho de revelação, direcionado ao seu espírito (cérebro). Ao acordar a revelação estava nítida, e Jacó muito alegre! Podemos imaginar de que maneira Jacó deixou sua casa, seus pais, fugindo do próprio irmão gêmeo, com certeza com muita tristeza, mas agora depois deste sonho com a cabeça sobre a pedra Fundamental, representando ali o inicio da Igreja em forma da Casa do Senhor. Então acordando do seu sono disse: “Acordado, pois Jacó do seu sono, disse: Na verdade o Senhor está neste lugar; e eu não sabia. E temeu e disse: Quão terrível é este lugar! Este não é outro lugar senão a casa de Deus; e esta é a porta dos céus”. (Gn. 28: 16, 17). A vida de Jacó agora seria outra, ele havia recebido a Unção do Espírito Santo, o que hoje chamamos de Batismo com o Espírito Santo. Imediatamente Jacó edificou literalmente a Casa do Senhor e fez promessas ao Senhor. Voltando aos versos 13 do cap. 28: Algo interessante o que o Senhor diz a Jacó ainda em sonho no topo da escada: “E eis que o Senhor estava em cima dela, e disse: Eu sou o Senhor, o Deus de Abraão teu pai, e o Deus de Isaque: esta terra, em que estais deitado ta darei a ti e à tua semente: E a tua semente será como o pó da terra, e estender-se-á ao ocidente, e ao oriente, e ao norte, e ao sul, e em ti na tua semente serão benditas todas as famílias da terra:” (LBC 13, 14). Houve então uma renovação das promessas, sendo passadas de pai para filho. Estes são os sinais maravilhosos contidos na Palavra de Deus. Por essas e outras Promessas é que podemos avaliar o quanto é importante para o Senhor a preservação da família na face de toda a terra. Estaremos neste primeiro mês do ano (Janeiro) trabalhando muito nesta questão família, sempre com base nas Sagradas Escrituras, por exemplo: Jesus ensinou aos seus discípulos que: família é todo aquele que faz a vontade de Deus Pai, portanto para andar juntos é preciso que haja a Unificação que é mais que uma simples união, deve-se professar a mesma Fé. Vemos o grande e terrível exemplo dentro desta família a qual estamos estudando nesta manhã, ou seja, família de Isaque. Entre Esaú e Jacó, eles eram irmãos gêmeos, no entanto teve que haver a separação de uma forma tão terrível, um fugindo do outro por ameaças de morte. Façamos mais uma importante observação: Quanto a união entre seus pais; Isaque e Rebeca havia uma boa comunhão, pois vemos claramente quando Rebeca cheia do Espírito Santo chama seu filho Jacó e lhe fala sobre o intento de seu irmão Esaú, vejamos: (Gn. 27: 41, 42), quem denunciou a ela? Se Esaú disse no seu coração? Portanto exemplos não nos falta dentro das Sagradas Escrituras, pois são os Escritos Bíblicos a nossa bússola, a diretriz para uma vida que pelo menos agrade ao Senhor. É por essas e outras razões que o Senhor na sua infinita Sabedoria tem desde esse principio, instituído um refugio que se chama Casa do Pai: “Porque no dia da adversidade me esconderá no seu pavilhão: no oculto do seu tabernáculo me esconderá: por-me-á sobre uma rocha.” (Sl. 27: 5). Então a Casa do Pai é para abrigar seus filhos. vemos que ali, naquele deserto Jacó foi renovado, e a ele foi sendo transferido pelo Senhor todas as Promessas que já havia sido dadas lá atrás a Abraão. O Senhor vem observando a conduta de Jacó desde a madre, quando lutou com seu irmão dentro do ventre de sua mãe para nascer, pois ele estava determinado pelo Senhor a nascer primeiro, mas embora lutasse não conseguiu. Jacó desde a madre mostra ao Senhor, ser um homem que luta e vence!  Quanto ao criminoso Esaú, é mostrado o seu terrível fracasso. A diferença entre ambos era grande em termos de santidade. Mas continuemos na questão família: É bom relembrar também o fator grau de parentesco; Na LBC verso 13, encontramos com muita clareza quando o Senhor no topo da escada se refere a Abraão como pai de Jacó e não como avô. Isto é Mandamento. Mas voltando as ocorrências maravilhosas naquele amanhecer na vida desse jovem, vemos que ele manteve a tradição, ou seja, lá bem no inicio da caminhada de seu pai Abraão quando chamado por Deus moveu-se para a montanha à banda do Oriente de Betel, armou a sua tenda e edificou um altar ao Senhor, e invocou o nome do Senhor (Gn. 12: 7, 8). Com Jacó ainda foi melhor, o Senhor lhe mostrou uma escada que leva aos Céus! Só através da aplicação da Palavra se poderá subir por ela. Já por várias vezes já temos aprendido que, em cada Templo edificado pelo Senhor lá está aquela Escada até a entrada dos Céus. É preciso subir por ela.

domingo, 10 de janeiro de 2016

LIÇÕES BÍBLICAS / ABRAÃO, CHAMADO POR DEUS - Lição: 02


LIÇÕES BÍBLICAS
Classe: “Ovelhas do Bom Pastor”.
Data: - 10 – 01 – 2016.
Lição: 02
Titulo da Lição
ABRAÃO, CHAMADO POR DEUS

Texto Áureo: “Pela fé Abraão, sendo chamado, obedeceu, indo para um lugar que havia de receber por herança; saiu, sem saber para onde ia.” (Hb. 11: 8).
93 – 146 – HC 

Leitura Bíblica em Classe:                                  (Gn. 12: 1 a 14).
1 – ORA, o Senhor disse a Abrão: Sai-te da tua terra, e da tua parentela e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei.
2 – E far-te-ei uma grande nação, e abençoar-te-ei, e engrandecerei o teu nome e tu serás uma bênção.
3 – E abençoarei os que te abençoarem e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra.
4 – Assim partiu Abrão, como o Senhor lhe tinha dito, e foi Ló com ele, e era Abrão da idade de setenta e cinco anos, quando saiu de Harã.
5 – E tomou Abrão a Sarai, sua mulher, e a Ló, filho de seu irmão, e toda a sua fazenda, que haviam adquirido, e as almas que lhe acresceram em Harã; e saíram para irem à terra de Canaã; e vieram à terra de Canaã.
6 – E passou Abrão por aquela terra até ao lugar de Siquém, até ao carvalho de Moré; e estavam então os cananeus na terra.
7 – E apareceu o Senhor a Abrão, e disse: À tua semente darei esta terra. E edificou um altar ao Senhor, que lhe aparecera.
8 – E moveu-se dali para a montanha à banda do Oriente de Betel, e armou a sua tenda, tendo Betel ao ocidente, e Ai ao Oriente; e edificou ali um altar ao Senhor, e invocou o nome do Senhor.
9 – Depois caminhou Abrão dali, seguindo ainda para a banda do Sul.
10 – E havia fome naquela terra; e desceu Abrão ao Egito, para peregrinar ali, porquanto a fome era grande na terra.
11 – E aconteceu que, chegando ele para entrar no Egito, disse a Sarai, sua mulher: Ora bem sei que és mulher formosa à vista;
12 – E será que, quando os egípcios te virem, dirão: Esta é a sua mulher. E matar-me-ão a mim, e a ti guardarão em vida.
13 – Dize, peço-te, que és minha irmã, para que me vá bem por tua causa, e que viva a minha alma por amor de ti.
14 – E aconteceu que, entrando Abrão no Egito, viram os egípcios a mulher, que era mui formosa.


INTRODUÇÃO:
I – ABRAÃO, CHAMADO POR DEUS.
Definição: A importância do chamado que provém de Deus, pois se foi por Deus é coisa boa. Assim foi na vida desse homem chamado no principio de Abrão. Logo de inicio, ele começa a passar por duras provas, como nos diz o verso 10 de nossa LBC, que ao seguir para a banda do Sul encontrou fome naquela terra. Então desceu ao Egito, ali chegando passa por uma prova: Quando os príncipes de Faraó viram a Sarai esposa de Abrão, não resistiram a sua beleza e a tomaram dele, “E viram-na os príncipes do Faraó e gabaram-na diante de Faraó; e foi a mulher tomada para a casa de Faraó. E fez bem a Abrão por amor dela; e ele teve ovelhas, e vacas, e jumentos, e servos, e servas, e jumentas, e camelos.” (Gn. 12: 15, 16). Porém o Senhor se levantou contra aquele Faraó e o feriu com grandes pragas e a sua casa em favor de Sarai. Sabemos muito bem que Abrão não mentiu quando disse que Sarai era sua irmã, pois na verdade ela era sua irmã. (Gn. 20: 12). Sua omissão foi quanto a ser sua esposa, por essa razão o Senhor agiu em seu favor ante Faraó. O nome Sarai, significa: Minha princesa. Mas devemos nesta lição atentar bem para a simplicidade de Abrão, seu caráter. A partir do capitulo 13 vamos encontrando certas dificuldades na parentela de Abrão. Voltando do Egito Abrão segue muito rico, em gado, em prata, e em ouro. (Gn. 13: 1 a 4). Daqui já vamos sentindo a razão pela qual o Senhor orientou a Abrão que saísse de sua terra somente com sua esposa, e não trouxesse nenhum parente. Muitas vezes ao recebermos certas orientações da parte do Senhor Deus através de suas Escrituras, negligenciamos, queremos fazer diferente, o amor fraterno fala mais alto, e etc., é aí que muitos vão se dando muito mal, pois a Palavra do Senhor é sim, sim ou não, não  o que passar disso passa a ser de procedência maligna: (Mt. 5: 37). Mas voltando ao texto, ao chegarem entre Betel e Ai, a primeira coisa que Abrão fez foi invocar ali o Nome do Senhor, ou seja, orar no Altar que dantes havia edificado antes descer ao Egito.  Vemos aí que embora não tendo falta de nada materialmente falando, mesmo assim não esqueceu de invocar o Nome do Senhor. Prosseguindo  no texto do cap. 13, vemos que Ló seu sobrinho também tinha rebanhos e tendas e a terra já estava pequena para habitarem juntos. Havendo contenda entre os pastores dos rebanhos de ambos, e o que é pior, estavam no meio dos cananitas e dos ferezeus. Mediante a contenda, diz o verso 8 do cap. 13 que Abrão deixou seu sobrinho bem a vontade para escolher: “E disse Abrão a Ló: Ora não haja contenda entre mim e ti, e entre os meus pastores e os teus pastores, porque irmãos somos.” Isto era tudo que Ló precisava. Abrão ainda disse mais; não está toda terra diante de ti? É só escolher. Nesta fala podemos muito bem imaginar que já estava ali havendo uma contenda não somente da parte dos pastores, mas nos parece que Ló chegou diante do tio meio nervoso, mas também podemos sentir pelo texto a calma, o controle de Abrão. Ele simplesmente responde a Ló;  Ora não haja Contenda entre mim e ti, não está toda a terra diante de ti? “... Eia, pois, aparta-te de mim; se escolheres a esquerda, irei para a direita; e se a direita escolheres, eu irei para a esquerda.” (Gn. 13: 9). A dignidade de Abrão e o seu caráter são dignos de louvor! E o Senhor a tudo isto observando dos altos Céus. Então Ló não pensou duas vezes, levantou seus olhos e viu toda a campina do Jordão e a desejou, pois era bem regada, antes do Senhor ter destruído Sodoma e Gomorra, diz o texto que era como o Jardim do Éden. (verso 10 do cap. 13). Com isto Ló não hesitou em dar as costas à Terra Prometida, além de virar as costas ao seu tio Abrão, ele ultrapassou a fronteira, pensando em se dar muito bem. Isto se chama ganância, e  muitas vezes o homem, o ser humano fica cego por ela. Ló era apenas um crente, desses crentes que facilmente viram as costas para Deus, diferente de Abrão que era IGREJA! A ambição de Ló destruiu sua família, e família é a coisa que o Senhor mais preza em todo o mundo. Em breve tempo a Escritura vai mostrando a diferença daquele que faz a escolha de seguir ao Senhor. Vamos parar um pouco aqui para meditação de algo muito importante: Ló só não perdeu a salvação, porque ainda não havia sido instituída a Lei de Deus bem como as leis de Moisés, aliás, nem ainda havia Moisés. Mas em compensação, Ló muito sofreu, por ver toda a sua família destroçada, sua mulher virou uma estátua de sal, por desejar as coisas mundanas, suas filhas se perderam pelo caminho, depois o embebedaram, tiveram relações sexuais com o próprio pai embriagado, tiveram filhos, Em fim, Ló não foi feliz. Nas Escrituras, no Novo Testamento se faz menção de Ló, vejamos: “E livrou o justo Ló, enfadado da vida dissoluta dos homens abomináveis.” (II Pd. 2: 7). Hoje é bem diferente, pois os crentes desajuizados estão com a Palavra na mão, em forma de um Livro muito bem feito, numa linguagem accessível, e ainda tem que explique. Portanto nos dias atuais não haverá perdão por meio de sofrimento, como ocorreu com Ló. Hoje as Leis de Deus estão diante de nós para serem cumpridas. Vamos avançar um pouco no capítulo 18 de Gênesis; no verso 17 a 19 para ouvirmos o que o Senhor junto à Trindade comentou: “E disse o Senhor: Ocultarei eu a Abrão o que faço, visto que Abraão certamente virá a ser uma grande  e poderosa nação, e nele serão benditas todas as nações da terra? Porque eu o tenho conhecido, que ele há de ordenar a seus filhos e a sua casa depois dele, para que guardem o caminho do Senhor, para obrarem com justiça e juízo, para que o Senhor faça vir sobre Abraão o que acerca dele tem falado.” Que Maravilha! Quantos de nós o Senhor poderá estar dizendo estas mesmas palavras? E Abraão não decepcionou ao Senhor, ele foi até o fim na obediência, e tornou-se pai de todas as famílias da terra. Muito se ouve no meio dos crentes; temos que confiar em Deus, mas nunca se ouve acerca dessa preocupação se o Senhor também está podendo confiar neles, contar com eles, como soldados valorosos, sempre prontos, como disse o hino no começo da lição: Há trabalho pronto para ti cristão... Mas, onde estão os Isaias da vida dizendo: Eis-me aqui? Onde está a juventude que canta? Minguando cada dia mais, estão evangelizando seus primos, colegas, vizinhos e etc.? Fechamos esta segunda lição do novo ano deixando esta interrogação: O que o Senhor espera de nós neste novo ano???

domingo, 3 de janeiro de 2016

Um toque de poesia / BALANÇO 2015

BALANÇO 2015

Balanço de balançar e cair? Não!
Balanço de pesar, medir e somar.
Num controle diário de; ações e resoluções
No equilíbrio do Fiel.

Os ventos passando, a terra girando,
Tudo se move ao nosso redor,
Contra nada temos que lutar,
Nem contrabalançar.

No balanço da vida é só para frente olhar.
Cabeça bem erguida, para não tontear,
E depois...
Somente agradecer pelo ano que findou,
Por todos os ganhos feliz estou.

      Maria da Gloria   02 - 01 - 2016.

LIÇÕES BÍBLICAS / SETE, A PERFEIÇÃO DE DEUS - Lição: 01

LIÇÕES BÍBLICAS
Classe: “Ovelhas do Bom Pastor.”.
Data:  – 03 – 01 - 2016.
Lição: 01                                          Título da Lição
 SETE, A PERFEIÇÃO DE DEUS

Texto Áureo: “Pela fé, Enoque foi trasladado para não ver a morte e não foi achado, porque Deus o trasladara, visto como, antes da sua trasladação, alcançou testemunho de que agradara a Deus.” (Hb. 11: 5)                                                 
                                               124 – 10 – HC -    
 Leitura Bíblica em Classe:                                   (Gn. 5: 1 a 18)
1 – Este é o livro das gerações de Adão. No dia em que Deus criou o homem, à semelhança de Deus o fez.
2 – Macho e fêmea os criou, e os abençoou, e chamou o seu nome Adão, no dia em que foram criados.
3 – E Adão viveu cento e trinta anos, e gerou um filho à sua semelhança,  conforme a sua imagem, e chamou o seu nome Sete.
4 – E foram os dias de Adão, depois que gerou a Sete, oitocentos anos, e gerou filhos e filhas.
5 – E foram todos os dias que Adão viveu novecentos e trinta anos; e morreu
6 – E viveu Sete cento e cinco anos e gerou a Enos.
7 – E viveu Sete, depois que gerou a Enos, oitocentos e sete anos e gerou filhos e filhas.
8 – E foram todos os dias de Sete novecentos e doze anos; e morreu.
9 – E viveu Enos noventa anos; e gerou a Cainã.
10 – E viveu Enos, depois que gerou a Cainã, oitocentos e quinze anos e gerou filhos e filhas.
11 – E foram todos os dias de Enos novecentos e cinco anos; e morreu.
12 – E viveu Cainã setenta anos e gerou a Maalaleu, oitocentos e quarenta anos e gerou filhos e filhas.
13 – E viveu Cainã, depois que gerou Maalalel, oitocentos e quarenta anos e gerou filhos e filhas.
14 – E foram todos os dias de Cainã novecentos e dez anos; e morreu.
15 – E viveu Maalaleu sessenta e cinco anos e gerou a Jarede.
16 – E viveu Maalaleu, depois que gerou a Jarede, oitocentos e trinta anos e gerou filhos e filhas.
17 – E foram todos os dias de Maalaleu oitocentos e cinco anos; e morreu.
18 – E viveu Jarede cento e sessenta e dois anos e gerou a Enoque.

INTRODUÇÃO: 
I – SETE, A PERFEIÇÃO DE DEUS.
Definição: Após  Adão e Eva, terem recebido todos os ensinamentos da parte do Senhor e Criador dos céus e da terra ali no Jardim do Éden, ou seja, de como tudo começou, a fundação dos mundos, e principalmente de que maneira foram confeccionados pelas próprias Mãos do Criador, e pela assistência diária que recebiam todas as virada das tardes. Mas vamos iniciar este novo ano voltando ao Principio, ao livro do Gênesis, recordando assim qual foi a razão da terrível desgraça que se abateu na família de Adão? A resposta já sabemos,  mas é sempre bom meditar nos Escritos Sagrados, pois são deles que podemos extrair conhecimentos e bons exemplos e procurar aplicar em nossa vida. Aquele casal gozava da presença diária do Senhor Deus, em tudo foram ensinados, porém eles não ouviam, apenas escutavam, há uma diferença muito grande em ouvir e escutar; nunca se lerá nas Escrituras a palavra: Escuta filho meu, mas sim; OUVE, pois o que ouve guarda a Palavra. Por essa razão foram facilmente enganados pelo diabo dentro do belo Jardim preparado para eles. Por essa razão foram excluídos, distanciados de Deus. E assim, foi originado o pecado, pecado de transgreção à Palavra do Senhor. Adão ao ser chamado a atenção pelo Senhor ainda tentou contender com Ele, acusando ao Senhor pela mulher que havia recebido de suas Mãos. Há um texto no livro de Jó que diz:  “Se quiser contender com ele, nem a uma de mil coisas lhe poderá responder. Ele é sábio de coração, poderoso em forças; quem se edureceu contra ele e teve paz?” (Jó. 9: 3, 4). A partir daquele momento a Graça divina se afastou e a consequência foi inevitável. Houve então o primeiro crime de sangue dentro daquela família. Foi necessário que passassem por essa terrível dor. No capítulo 4 verso 25 Eva reconheceu o Poder de Deus sobre ela ao escolher o nome do novo filho: “E tornou Adão a conhecer sua mulher; e ela teve um filho, e chamou o seu nome Sete; porque disse ela, Deus me deu outra semente em lugar de Abel; porquanto Caim o matou”. Isto prova o arrependimento e o reconhecimento da parte de Eva. Foi ela que deu nome ao seu novo filho, e este nome representa a Perfeição de Deus. E foi através deste filho que se começou então a invocar o nome do Senhor na terra. Podemos imaginar o caos, aquelas terras desde o pecado original passou a ser laica, não se invocava o Nome do Senhor. Mesmo assim nunca mais houve paz total na terra, pois o Paraíso voltou aos Céus. É certo que um dia esse Paraíso voltará a terra, mas para isso acontecer é preciso que haja não somente invocação a Deus, mas conversão a Deus. Mas voltando ao principio, quando começaram a invocar o Senhor na terra, é certo que nem todos, e com o crescimento da população, junto vem a propagação do pecado em forma de corrupção, e de modo geral como nos relata o capítulo 6 do livro de Gênesis. Mas em meio a tudo isto Havia uma família na terra, a família de Noé, aliás, família é o que o Senhor mais preza neste mundo, a família para o Senhor é intocável, só que já tocaram e procuram dia a dia destituí-la da face da terra. Mas voltando ao cap. 6 de Gênesis, vemos ali o retrato de nossos dias, principalmente em nosso Brasil, ou seja, uma corrupção generalizada. Só que agora o Senhor não levantará mais nenhum Noé e sua família, mesmo porque está muito difícil encontrar na face da terra uma família digna, estão havendo muitos arranjos abomináveis sendo chamados de família, para quem ainda não sabe família é: Papai e mamãe juntos, criando seus filhos nos preceitos divinos.  Mais isso é pedir demais num país laico, onde até as escolas de ensino fundamental estão proibidas de falar sobre Deus. Portanto a corrupção aí está principalmente no meio dos crentes, um povo que deveria estar cuidando acerca da preservação da família na face da terra, mas como, se não existem mais pastores? O que existe por aí são homens cobiçosos, fazendo qualquer negócio. Os que se dizem pastores estão todos imbuídos na destruição das famílias, pois um homem que se diz pastor e faz casamento de divorciados, o que se pode esperar desse individuo? Faço uma pergunta: Será que o Senhor Deus chamaria um homem ao pastorado, ou seja, para cuidar de seu rebanho de acordo com divorcio,? E o que é pior, fazendo casamento de divorciados? Tenho certeza que não. Portanto o que se pode esperar nesta situação é que a corrupção aumente cada dia mais. Mas é bom falar de Noé e sua família, todos ali num só pensamento, os filhos na obediência aos seus pais. Então o Senhor olhou a terra é só encontrou uma família, a de Noé: “Noé porém achou graça aos olhos do Senhor. Estas são as gerações de Noé: Noé era varão justo e reto em suas gerações: Noé andava com Deus.” (Gn. 6: 8, 9). Quantas famílias o Senhor Jesus vai encontrar na sua vinda? O cap. 6 de Gênesis diz que a razão do aumento da corrupção foi a mistura do santo com o profano. Só havia agora uma saída; como diz o verso 13 do cap. 6: O Senhor ali anunciou o dilúvio a Noé. E deu a ele todas as devidas orientações na confecção da arca. Todo esse acontecimento foi anunciado ao povo não somente pelo Senhor, mas também Noé apregoava, mas o povo não deu crédito a pregação de ninguém “Porquanto, assim como, nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca,” (Mt. 24: 38). Costumamos sempre dizer; Ano Novo, vida nova, é realmente necessário fazer um balanço, procurando o equilíbrio, mas, sempre olhando para o Fiel da balança, sem se preocupar com essa ou aquela religião, mas simplesmente olhe um pouco para dentro de si mesmo e também para o alto, fazendo um exame de consciência, pois uma coisa é certa; todos os seres humanos um dia chegarão diante do Trono Divino, isto é inevitável, pois assim está escrito: “Porque todos devemos comparecer ante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem, ou mal.” (II Cor. 5: 10). A numerologia Divina nos ensina que, Deus Pai = 7, Jesus Cristo é + 1 = 8. Fujamos do 666 = A besta.